A revolução acabou. Começa a idade da revolta

por Marco Belpoliti

(Publicado originalmente no La Stampa em 16 de fevereiro de 2010. Disponível emhttp://www3.lastampa.it/politica/sezioni/articolo/lstp/380235/ – Tradução de Eduardo Sterzi)

Adeus, revolução? Sim, o seu lugar foi tomado pela revolta. De Clichy-sous-Bois, na periferia parisiense, em 2005, até Atenas em 2008, até o ataque dos estudantes londrinos em 2010, ou até a passeata dos estudantes ganhar as ruas de Roma anteontem, a revolta parece ter tomado o lugar das forças revolucionárias. A revolta não tem projeto, não se projeta no tempo futuro. Como sustentou um dos seus teóricos, o germanista e mitólogo Furio Jesi, morto justo há trinta anos, emSpartakus. Simbologia della rivolta, texto de publicação póstuma, «antes da revolta e depois dela se estendem a terra de ninguém e a duração da vida de cada um, nas quais se perfazem ininterruptas batalhas individuais». Evocando Rimbaud e a Comuna de Paris, Jesi afirmava: «Só na revolta a cidade é sentida como o haut-lieue ao mesmo tempo como a própria cidade»; na hora da revolta não se está mais sozinho, mas se está no fluxo cambiante do Nós, entidade provisória e lábil, extática e violenta.

Depois do fim das ideologias, depois da queda do Muro de Berlim e do triunfo do pensamento único, no Ocidente como no Oriente, em Nova York como em Xangai, a revolta suspende o tempo histórico e cria o instantâneo; é o triunfo do presente contraposto ao futuro. Não se espera mais o dia da conclusão do longo processo revolucionário. A revolta instaura um tempo extático, escreve Pierandrea Amato, um dos teóricos das novas revoltas metropolitanas, o aqui e agora. Walter Benjamin relata como, no decurso da Comuna de Paris, os revoltosos dispararam contra os relógios, símbolo do tempo escandido pelo progresso, pela disciplina do trabalho. A revolta não prevê, mas vive no repentino; não pressupõe nem mesmo uma classe social que tomará o poder, mas só indivíduos atomizados, que no curso das insurreições espontâneas, não preparadas e contagiosas, se tornam uma força provisória. Se as revoluções cultivavam o sonho do ataque ao Palácio de Inverno, conquista do centro simbólico do poder, a revolta advém de modo molecular com o intento de condicionar materialmente o andamento normal das coisas.

Depois da revolta nada é mais como antes. Para os seus teóricos – Paolo Virno, um dos filósofos italianos hoje mais citados no mundo, mas também os franceses Alain Badiou e Jacques Rancière – a revolta é o análogo da catástrofe, do colapso a que nos habituou o novo capitalismo financeiro, a única resposta possível a uma sociedade que não parece mais ter nenhum fundamento certo, nenhuma teoria com a qual justificar o próprio domínio, a não ser a coerção, o uso da força ou a sedução do consumo. Vivemos na época do desastre, como havia intuído na metade dos anos sessenta Susan Sontag.

A revolta é filha da crise da democracia representativa que no Ocidente, por causas complexas, parece ter perdido a própria função histórica. Os revoltosos, movidos por razões freqüentemente diferentes, mostram, nas periferias urbanas francesas como no centro de Roma, nas ruas de Atenas como nas localidades ao redor de Nápoles, o emergir de uma política que se põe para além do sistema que hoje a representa: são a expressão de uma caótica e espontânea vontade de viver, oposta e simétrica àquela que na Itália domina a cena política maior. Pierandrea Amato, em La rivolta, publicado recentemente, escreve que a revolta é um vento que traz consigo a própria auto-desintegração.

Os garotos que correm com os capacetes e escudos pelas ruas, que sobem nos monumentos, que aparecem e desaparecem nas banlieues, tocando fogo nos automóveis e nas latas de lixo, mostram a existência de um campo de forças que escapa às categorias políticas tradicionais, ao marxismo e ao pós-marxismo tanto quanto às teorias neoliberais. A revolta acontece, do mesmo modo que um evento artístico, uma manifestação momentânea, uma performance. Não se pode representá-la nem de forma política nem espetacular; é um acontecimento extático, mais próximo das formas religiosas, da festa, do que das estruturas da representação política, tais como um partido ou um parlamento: vive, não se representa. A sociedade do espetáculo que dominou nos últimos vinte anos, realizando a profecia de Guy Debord, agora tem diante de si uma série de acontecimentos não capturáveis nas formas do espetáculo midiático.

Aquilo que, em definitivo, a revolta desestrutura é a idéia mesma da identidade política. O Nós aparece e desaparece, e suspende o tempo histórico em favor daquele que os gregos chamavam Kairos: o justo instante, o golpe de vista, aquele em que o atleta perfaz o movimento justo, supera o adversário, cruza a linha de chegada. Devemos preparar-nos para viver num tempo diverso daquele que marcou as vidas dos nossos pais e avós, um tempo que não tem uma única direção, ou uma destinação predeterminada, mas que acontece e ao mesmo tempo colapsa, que se mostra e se subtrai. O Homo seditiosus é o campeão de uma humanidade que sai às ruas hoje, mas também amanhã e depois de amanhã, para realizar «uma arte sem obra».

Anúncios

5 Responses to “A revolução acabou. Começa a idade da revolta”


  1. 1 terrorismobranco 02/24/2011 às 7:46 PM

    Parabéns pelas Cartografias Sentimentais, excelente reflexão sobre o carnaval e a arte. Movimentos como o Vacas-Magras, a Praia da Estação, e a ressurreição do carnaval de rua em BH, mostram que estamos em um grande momento para o desenvolvimento do sujeito político, para o retorno da participação cidadã… com a arte ou em suas diversas outras formas de manifestação. No nosso grupo , o terrorismo, também somos a revolta. Este texto que postamos, é para reflexão interna dos próprios movimentos que surgiram recentemente, é um olhar sobre as nossas micros e as macros políticas. Por exemplo, no caso do Egito, houve a revolta, o ditador está fora, o exército assumiu, e agora? Nada ficou como era antes, mas qual será a proposta para futuro? A democracia é suficiente? Ela é suficiente nos EUA, no Brasil? Creio que nosso desafio – para além de mudar, questionar, revoltar-se contra o presente – é propor um futuro diferente, melhor, que foi o que o pessoal da época da revolução tinha como proposta de futuro. Nos preocupa o fato de sermos ainda tão pontuais e voláteis. Beijos

  2. 2 terrorismobranco 03/02/2011 às 2:48 PM

    Excelente texto ARThropophagyas, mas precisamos construir a revolução que desejamos, estrutura-la para além das revoltas. Alguns preceitos da revolução que se almejava há alguns anos, infelizmente, já não são aplicáveis e não temos propostas para o futuro


  1. 1 Como uma onda « cartografiasentimental Trackback em 02/10/2011 às 2:41 PM
  2. 2 Como nasce um bloco de Carnaval – Parte 2 « cartografiasentimental Trackback em 02/20/2011 às 9:55 PM
  3. 3 From Algiers to Cairo, back and around the world / De Alger ao Cairo, de volta, e pelo mundo fora « ARThropophagyas Trackback em 02/28/2011 às 2:23 PM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

Junte-se a 39 outros seguidores

Flickr Photos

Agenda

fevereiro 2011
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28  
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: